quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Salão de Antigos de SP, a crônica de uma cobertura impossível



Hoje é o primeiro dia do Salão Internacional de Veículos Antigos de São Paulo. Um evento que vale à pena visitar, mas que por motivos alheios à minha vontade não será coberto por este blog.

Creio que os leitores do Adverdriving, principalmente os que acompanham o blog há mais tempo, poderão se interessar em saber que motivos foram esses. Então, vamos começar a história pelo começo.

Há pouco mais de dois meses, recebi um e-mail da empresa organizadora do Salão, a Reed Alcântara Machado, me convidando para atuar como "blogueiro embaixador" do evento.

Ao receber o convite, imaginei que o status de "blogueiro embaixador" me daria condições ideais para fazer essa cobertura. Minha principal preocupação era a de poder fotografar os automóveis antes da abertura oficial, já que no horário normal de funcionamento é impossível obter fotos de boa qualidade. Sei disso porque visitei a edição do ano passado, em que o público era tanto que mal se podia circular pelos corredores do Anhembi, que dirá fazer fotos com um padrão de qualidade minimamente aceitável.

Para me certificar de que essa era uma das prerrogativas de um "blogueiro embaixador", liguei para a Reed Alcântara Machado. A funcionária que me atendeu - por sinal, a mesma que havia assinado o convite - não soube esclarecer a questão. Disse apenas que perguntaria à sua supervisora e então me daria um retorno - coisa que não aconteceu.

Passados alguns dias, decidi ligar para a tal supervisora (a qual aparentemente não estava a par do meu telefonema anterior). Repeti as perguntas que havia feito da primeira vez, formalizando este novo contato através de um e-mail. Uma vez mais, não obtive resposta.

Para minha surpresa, uma semana depois recebo um e-mail assinado por uma terceira funcionária da Reed Alcântara Machado cobrando uma resposta ao convite para atuar como "blogueiro embaixador". Respondi da única maneira possível, ou seja, reiterando as perguntas que já havia feito nos meus contatos anteriores com a empresa. A qual, uma vez mais, não se dignou a me fornecer uma resposta.

Diante do impasse, achei melhor esquecer essa história de "blogueiro embaixador" e entrei no site do evento para solicitar uma velha e boa credencial de imprensa. E aí, deparei com um novo impasse: para me habilitar a essa credencial, eu precisaria ter registro profissional como jornalista e trabalhar para um veículo de comunicação formalmente constituído. O que não é o meu caso, mesmo possuindo um título de mestrado em jornalismo. Assim como não é o caso da grande maioria de blogueiros que escrevem sobre temas automotivos, no Brasil e em qualquer outra parte do mundo.

Vale notar que em junho deste ano, quando realizei as coberturas do Berlin Oldtimer Show e do Eifelrennen de Nürburgring, o fiz com credenciais de imprensa emitidas pelas respectivas entidades organizadoras. Nenhuma delas fez exigências nem remotamente parecidas com as da Reed Alcântara Machado.

Entendi então que só me restava jogar a toalha, já que eu não conseguiria fazer a cobertura do Salão Internacional de Veículos Antigos nos moldes que havia imaginado. E se for para fazer uma cobertura meia-boca, prefiro não fazer cobertura nenhuma.

Em resumo, foi isso que aconteceu.

Agora, se algum leitor fizer a gentileza de me dizer o que vem a ser um "blogueiro embaixador" ficarei muito agradecido, já que quem me convidou para essa função não soube ou não quis me explicar. Ou talvez eu é que tenha sido um pouco ingênuo demais para entender.


10 comentários:

fernando disse...

Eu acho que esse evento, assim como o salão do automovel há muito interesse apenas comercial.No caso contrataram uma empresa para organizar o evento que parece não entender direito do assunto.

Charles disse...

Que tremenda truculência e falta de organização destes sujeitos, Paulo.
Só ressalto que a maioria dos clubes, encontros, eventos periódicos e organizações envolvendo autos antigos que acabam o fizeram justamente por conta do comportamento hostil de alguns organizadores, que se acham o crème de la crème do antigomobilismo e pensam que o meio deve girar em torno de seus umbigos.
Ninguém aguenta hiperglicemia naquele lugar onde o sol não bate, então lamentável mesmo que a coisa seja assim.
E essas invenções de títulos extravagantes que na real não concedem qualquer benefício prático são bem reminescências dos tempos da baixa nobreza, de um firulismo só.
Palmas para os alemães!! Antigomobilismo tem que ser democrático!!

Francisco J.Pellegrino disse...

Piora a cada dia, imagine eu que só quero obter uma fotografia razoável para colocar no blog...tb prefiro não ir e depois curtir as fotos colocadas aí pela net...PL, este "título" não vai acrescentar nada no teu currículo...e nem precisa !
abs

Rui Amaral Jr disse...

Sem comentários.
Minha solidariedade Paulo.

Luís Augusto disse...

Acho que o Fernando resumiu bem a situação no primeiro comentário. Também recebi o tal convite e, já de cara, agradeci e recusei por estar a 600 km do evento e as exigências, incluindo número de posts antes, durante e depois do evento, eram risíveis. Surpreendentemente, recebi a mesma cobrança feita ao PL sobre um posicionamento em ser ou não blogueiro embaixador e reiterei a recusa, mas falei que, já que estavam tão empenhados em ter a cobertura dos blogueiros, que me mandassem algum material que poderia publicar no meu blog, se fosse do interesse da agência. Falaram que mandariam e... nada!

Jean Tosetto disse...

Caro Paulo,
Quero convidar você para o lançamento de meu primeiro livro "MP Lafer: a recriação de um ícone". Você não será blogueiro embaixador (nem blogueiro cônsul) do lançamento - o que não diminui a importância de sua presença no evento.
Ao longo do livro inseri campanhas publicitárias de época da Lafer, não apenas do carro mas também cobrindo a linha de móveis. Nas fontes de consulta mencionei o seu blog.
Mais informações no link a seguir:
http://www.mplafer.net/2012/11/icone.html
Grande abraço!

Joel Gayeski disse...

A buRrocracia é algo que nos assola.
Se por acaso duvidassem da tua capacidade, custava alguém passar alguns minutos aqui pra ver que sempre há pessoas cativas comentando?

Paulo Levi disse...

Como profissional da área de comunicação, o que mais me chamou a atenção nesse episódio foi a combinação entre falta de respeito, falta de profissionalismo e desorganização. No final, fiquei com a sensação de que o que essa empresa realmente buscava era meia dúzia de papagaios dispostos a reproduzir os seus press releases, e não blogs capazes de gerar seu próprio conteúdo.

O caso também serviu para confirmar que muitas vezes o discurso das empresas sobre a importância das redes sociais é só da boca para fora. Só isso poderia explicar as exigências draconianas para a emissão de credenciais de imprensa, que efetivamente excluem do processo a maioria dos blogueiros.

Esse não foi um dos posts mais agradáveis de escrever (e nem de ler, tenho certeza), mas achei importante fazê-lo para marcar posição. E também para alertar os amigos blogueiros sobre abordagens do gênero. Pela leitura e pela compreensão, muito obrigado a todos.

Paulo Levi disse...

Fernando e Charles, sejam bem-vindos! E muito obrigado pela participação, voltem sempre.

Paulo Levi disse...

Jean, antes de mais nada parabéns pelo livro. Essa é realmente uma história que merece ser contada, e você é a pessoa certa para fazê-lo. Terei o maior prazer em comparecer ao lançamento. E muito obrigado pela menção, é uma honra!